quinta-feira, 2 de fevereiro de 2012

Portais dimensionais e as camadas vibratórias

OS PORTAIS DIMENSIONAIS      


Forças ocultas, leis desconhecidas, esperam que a alma humana delas se utilize e, à medida que se espalhe o progresso moral, mais dos homens se beneficiarão na fonte bendita do conhecimento.”(Emmanuel,Francisco Cândido Xavier, pág.89, Ed. Feb.)



            Fica patente aqui que a espiritualidade utiliza-se de veículos como pudemos observar através dos relatos dos Espíritos em suas comunicações e mediante a isso, podemos, concluir que o plano astral dispõe de uma alta tecnologia científica capaz de construir aparelhos para servi-los conforme suas necessidades.Os Espíritos através de seus relatos informam que existem postos de abastecimentos na crosta e ao longo dos percursos nas diferentes camadas vibratórias, bem como rotas espirituais predefinidas sendo que os mesmos explicam que  os veículos são necessários  em função da incapacidade de não conseguirem vencer muitas das vezes as barreiras vibratórias mais densas. E no dizer dos próprio Mentor Espiritual a André Luiz : “uma densa selva de fluidos condensados”. O próprio Chico Xavier, comentou várias oportunidades da existência de um portal sobre a cidade de Uberaba, que da acesso a  uma grande colônia espiritual naquela região.




            Fatores como  a influência planetária magnética, as condições astrais, as vibrações especiais provenientes das força concentradas no interior do globo ou das regiões onde os humanos despertam diante de grandes  perigos emitindo vibrações de medo ou ansiedade por exemplos, são elos dessa imensa corrente fluídica magnética que influenciam diretamente nas condições ambientais favorecendo ou não as condições de viagem dos Ovnis. A Terra por sua vez, é circundada por camadas de freqüências vibratórias correspondendo a cada nível, faixas de evolução em que vivem as comunidades espirituais de desencarnados e o trânsito entre essas faixas se faz pelas  “estradas de luz”, referidas pelos Espíritos como caminhos especiais, destinados ao transporte mais importante, como também são utilizados os chamados “campos de saída”, que são pontos nos quais as duas esferas ou faixas próximas se tocam possivelmente pelas águas, e supõe-se que circundam os continentes. Daí, também a descrição de inúmeros “Osnis”, ou seja, Objetos submarinos não identificados.





 Seguindo esta teoria, quando os campos magnéticos de dois planetas se chocam , tocando-se, os dois mundos se interpenetram, pelas suas esferas extremas, temos aí as passagens intermúndios. Já quando o magnetismo dos sistemas se tocam temos as passagens sistêmicas, da mesmo forma surgem as galácticas, entre outras. Os Ovnis em tese de uma forma geral, utilizam-se dessas passagens como facilitadores para a penetração noutros mundos.




            Entendemos que lugares especiais no planeta como pirâmides, mosteiros, lugares sagrados seriam centros formadores de forças cósmicas e telúricas formando e facilitando assim, meridianos ou vias de acesso a planetas ou a cidades espirituais. Como exemplos temos Santiago de Compostela(Espanha), Machu Picchu(Peru), Yucatan(México), Stonehenge, (Ilha de Avalon Inglaterra), Fátima(Portugal),  Jerusalém(Israel), Cairo(Egito), Serra do Roncador(Brasil) etc. 



Essas vias de acesso geradas pelo magnetismo, se prolongam e se unem a meridianos cósmicos ramificados em todo o Universo. Emitindo uma determinada freqüência, essas por sua vez  são captadas  por seres desencarnados, bem como alguns extraterrestres encarnados conhecedores desse processo que viajam por esses meridianos ou estradas de luz. Para muitos ocultistas a Terra é um corpo de energia espiritual sob o corpo físico e dispõe de circuitos do Kundalini análogos aos existentes no corpo humano. Ela também  tem um sistema de chakras, um eixo espinhal e um canal central por onde flui a energia primordial em forma concentrada e por onde se estabelece ligações com outros planos etéreos. Muitos estudiosos, baseados em complexos cálculos matemáticos, acreditam ser possível realizar viagens interestelares através de meios em que o sistemas de propulsão dos nossos atuais foguetes se tornam totalmente obsoletos. 







Túneis interdimensionais, através dos quais o corpo poderia ser transportado de um ponto a outro no espaço sem percorrer a distância entre eles. Esses túneis se formariam a princípio, através de uma curvatura no espaço interligando esses dois pontos. Uma também possível entrada para esses túneis seriam os buracos negros, por estarem relacionados `a distorção espaço-temporal. Um caso muito interessante que de uma certa forma se aplica a essas teorias foi vivenciado pelo almirante Richard E.Bird, em 1.929, em seu vôo de reconhecimento do Polo Sul. Segundo o seu próprio relato radiofônico, derrepente  Bird emergiu num intenso nevoeiro e ao sair deparou-se com uma terra sem gelo, podendo distinguir vegetação, lagos, animais e homens, flores, alces e bisões do período Plistoceno. Esse depoimento  teve enorme repercussão na época, sendo muitos livros escritos a respeito desse inusitado episódio. Embora muitos acreditassem em um delírio, outros porém acreditaram que ele entrou em um desvio do tempo causado pelo intenso magnetismo da região, ou mesmo que tivesse  encontrado a terra mágica de Shambala.




Poderíamos teorizar a partir dessas informações embora rudimentares, que talvez existiriam outros tipos de  passagens naturais que conectariam com uma outra dimensão como vemos em vários filmes de ficção através de portais dimensionais adrentando em mundos paralelos. Mas isso que sabe já é um questionamento para o futuro.




            Diante destes fatos terminaremos esse capítulo com as sábias palavras do mentor espiritual Vicente a André Luiz,  que se encaixam perfeitamente em nosso estudo. Vejamos:

“(...) Há, porém, André, outros mundos sutis, dentro dos mundos grosseiros, maravilhosas esferas que se interpenetram. O olho humano sofre variadas limitações e todas as lentes físicas reunidas não conseguiriam surpreender o campo da alma, que exige o desenvolvimento das faculdades espirituais para tornar-se perceptível. A eletricidade e o magnetismo são duas correntes poderosas  que começam a descortinar aos nossos irmãos encarnados alguma coisa dos infinitos potenciais do invisível, mas ainda é cedo para cogitarmos de êxito completo. Somente ao homem de sentidos espirituais desenvolvidos é possível revelar alguns pormenores das paisagens sob nossos olhos. A maioria das criaturas ligadas à Crosta não entende estas verdades, senão após perderem os laços físicos mais grosseiros. É da lei que não devemos ver senão o que possamos observar com proveito.” (Os Mensageiros, Francisco Cândido Xavier pelo Espírito André Luiz, Pág.85).


AS CAMADAS VIBRATÓRIAS


            A princípio poderíamos dizer que o campo magnético ativo da Terra encontra-se dividido em sete esferas ou camadas vibracionais, seguindo a tradicional concepção oriental dos sete céus de que nos falam os antigos estudiosos das grandes e eternas verdades espirituais. Paulo de Tarso,  em II Coríntios cap. 12 v. 2, relata que foi transportado fora do corpo até o terceiro céu e lá viu coisas inefáveis. O profeta Henoc também refere-se aos céus superpostos, citando o primeiro e o  terceiro céu. O salmista faz alusão ao contingente de seres que vivem nesses “céus.  Lê-se no cap. 23 v.1:“Do Senhor é a terra e tudo, o que ela contém, a órbita terrestre e todos os que nela habitam.” Na realidade, cada uma dessas divisões compreende outras subdivisões, conforme asseguram os Espíritos, existindo de uma forma geral em todos os planetas.



            A primeira esfera, no planeta Terra, comporta o Umbral denso de regiões purgatoriais mais dolorosas; as chamadas Trevas. A segunda esfera abriga o Umbral mais ameno, onde os Espíritos do Bem se localizam, com mais amplitude, sua assistência, e onde estão situadas as “Moradias”. A terceira esfera temos o Umbral bem mais ameno, pois sendo uma zona de transição, abriga Espíritos necessitados de reencarnação e de conhecimento espiritual. Nessa terceira esfera se localiza a cidade “Nosso Lar”, situada. num ponto sobre a cidade do Rio de Janeiro, mais ou menos acima da cidade de Petrópolis e há mais de 100 km na ionosfera, região da atmosfera terrestre e que tem de 40 km a 700 km de altitude. Ao que se deduz das narrativas de André Luiz, as esferas espirituais de distinguem por vibrações distintas e diferenciadas, que se depuram  à medida que se distanciam do núcleo.



Em  Libertação” na pág. 50,  encontramos referências aos “campos de saída”, quando o Espírito André Luiz, relata-nos a maneira pela qual, em sonho, passou para uma esfera superior. André Luiz, refere-se  a uma embarcação, com um timoneiro sustendo o leme, e com movimento de ascensão, indo sair à frente de um porto, tudo indicando que a passagem dimensional se deu através das águas do oceano. Na realidade,  seja onde for  nesse vasto espaço magnético, sempre sob seus pés terá terra firme e sobre sua cabeça céu aberto, já que seus sentidos não estarão aptos para perceberem as esferas que lhe estão acima.
Nessa posição terá a mesma geografia planetária que nos corresponde e o mesmo horário nosso, pois estará sob o mesmo fuso horário. Lendo André Luiz, quando descreve a segunda e a terceira esferas, percebemos que, em ambas, há chão firme, sólido, terra fértil que se cobre de vegetação. Se assim é, fácil é perceber-se que, para seus habitantes, nós estamos vivendo no interior da Terra, no Agartha dos monges tibetanos. Percebe-se, também, nos livros de André Luiz, que os Espíritos que apresentam vibração mais densa não podem transitar em esferas ou camadas vibratórias mais amenas, mais os que possuem vibrações mais amenas podem transitar “livremente” pelas camadas mais densas, através do adensamento de suas vibrações.



Assim como a Terra, os outros planetas também possuem  suas respectivas camadas vibratórias bastante diferenciadas. No livro Lázaro Redivivo, psicografia de  Francisco Cândido Xavier p/ Espírito Irmão X, pseudônimo de Humberto de Campos, pag.53, podemos constatar esse fato quando uma excursão de espíritos desencarnados visitava o planeta: ”__Assistia pessoalmente a uma aula de sabedoria, numa das cidades espirituais dos círculos de Marte, quando surpreendi uma lição interessante.” Emmanuel ratifica e complementa este fato neste passagem retirada do livro “Religião dos Espíritos”, psicografado por Francisco Cândido Xavier , págs.185 a 187, Ed. Feb. Vejamos: ”Até agora, neste breve lembrete, nos reportávamos simplesmente ao campo físico observável pelos homens encarnados, atreitos, como natural, ao raio reduzido da percepção que lhes é própria, sem nos referimos às esferas espirituais  mais complexas que rodeiam cada planeta, quanto de cada sistema. Nesse critério, vamos facilmente encontrar, em todos os círculos cósmicos, os seres vivos da asserção de Kardec, embora a instrumentação do homem não os divise a todos. Eles se desenvolvem através de inimagináveis graus evolutivos, cabendo-nos reconhecer que, em aludindo à pluralidade dos mundos habitados, não se deverá olvidar a gama infinita das vibrações e os estados múltiplos da matéria.”




Cabe-nos ressaltar, que a percepção desses estados vibracionais, depende da capacidade espiritual  do ser ou mesmo da interferência de outros seres nas suas condições perceptivas. Seria a chamada sintonia vibratória que possibilita certos indivíduos  perceberem uma entidade de uma outra dimensão  enquanto outros indivíduos expostos as mesmas condições nada vêem. Um bom exemplo disso são as chamadas visões e aparições tão largamente descritas na Bíblia e pelos santos da Igreja. O renomado astrônomo, matemático, filósofo, poeta e jornalista, Camille Flammarion, colaborador de Allan Kardec, compilou uma escala de vibrações, conhecida também como "teclado cósmico". Essa escala, que vem sendo atualizada através das mais recentes descobertas científicas, representa o mergulho ascensional da percepção humana em direção ao imperceptível. A despeito das concepções materialistas, o Ser e o Universo se estendem em freqüências altíssimas. Atualmente a ciência já conjectura que os chamados fenômenos mediúnicos ou transcendentes, os estados mentais-emocionais de elevação e inspiração ocorrem em faixas de freqüências vibratórias elevadíssimas, na ordem de mais de 8 quintilhiões de Hz ou 8x1018 Hz. São categorizadas como ondas ultracurtas.




            Sendo assim, o próprio perispírito o invólucro do Espírito, é composto de diversos corpos sutis possibilitando  inúmeros graus de percepção, esses vão superpondo em camadas, até atingir sua forma mais alva e sutil ao longo do processo evolutivo. Um Espírito desencarnado que se subscrevia com o nome de Vincent, dizendo ser habitante de outro planeta em comunicação registrada pelo eminente pesquisador o Coronel Albert Rochas, afirmava que o perispírito é constituído por uma série de invólucros mais ou menos eterizados de que os habitantes do Mundo astral se vão desfazendo sucessivamente à medida que se elevam na escala da evolução, não sendo embutidos uns sobre os outros como os tubos um telescópio , mais interpenetrando-se em todas as suas partes. De forma análoga verificamos essas camadas vibracionais circundando também os planetas. Tudo nos leva crer, que parece haver um mesmo princípio para tudo que existe no Universo. Daí, a possibilidade de percepção desses outros níveis de realidade. A título de exemplo citamos a passagem retirada do livro “Novas Mensagens", psicografia de Francisco Cândido Xavier, pág.63 em que o Espírito Humberto de Campos narra parte de sua visita ao Planeta Vermelho um episódio muito interessante a respeito dos níveis vibratórios: “Todavia, ao apagar da luzes diurnas, o grande templo de Marciópolis enchia-se de povo. Observei que a nossa presença não era percebida, daí podermos examinar a multidão, à vontade, em seus mínimos movimentos”.






Igualmente, a mudança de padrão mental de freqüência, através da conduta e do auto-conhcimento, implica, necessariamente, em mudança de faixa vibratória, o que significa mudança imediata de ambiente, veja-se o exemplo de André Luiz descrito em “Nosso Lar”. Narra o autor desencarnado que enquanto estava perturbado pelas disfunções psíquicas levadas do mundo físico, após a morte, permaneceu incapaz de identificar a presença do mentor Clarêncio, que o estava sempre visitando, esperando pacientemente a oportunidade de resgatá-lo. No momento porém que, através da prece, elevou o padrão vibratório, viu-o e aos auxiliares que o acompanhavam. Imediatamente o próprio ambiente mudou aos seus, olhos, desaparecendo a região nevoenta, para dar lugar a outra mais clara, iluminada pelo sol. Ele deslocou-se em uma fração de segundos do nível inferior onde estava, passando instantaneamente para um nível imediatamente superior, por causa da nova posição psicológica assumida. Esse aparente milagre, é meramente a  aplicação da Lei de Afinidade, assim, uma dimensão pode conter inúmeros níveis vibratórios. Esclarecendo que a dimensão é composta de inúmeras faixas vibratórias, onde as entidades de uma mesma dimensão estão separadas entre si por nuances vibracionais, ou pequenas variações de freqüência. Muitas entidades pertencem à mesma dimensão por não terem ainda conseguido a harmonização psíquica necessária para a transposição ou mesmo percepção dimensional.




            Muitos Ovnis, sendo provavelmente mais evoluídos, conhecem métodos e técnicas para  transpor essas barreiras e alguns contatos se efetuam basicamente por afinidades vibracionais entre os contatados e os ilustres visitantes.

Nenhum comentário:

Postar um comentário